ARROZ DE SENZALA

Atualizado: 15 de Abr de 2020

Por ANDRE R. COSTA OLIVEIRA


O Arroz de Senzala guarda em seus aromas intensos a brutalidade do que foi a cicatriz enorme na história daquela colônia portuguesa nas américas; a candura com a qual as pretas embalavam os meninos dos senhores; a volúpia covarde das noites adentro, dos abusos e dos destemperos; o mercado do Valongo; capoeira nos canaviais; febre selvagem do ouro das Minas; cafezais já florescendo em São Paulo; o cacau baiano, amarelo; peixe na rede de manhã cedinho; cantorias e batuques; a coragem do enfrentamento; alforrias; Eusébio; ventre livre; sexagenários; Isabel, princesa; a conquista da liberdade, depois de navegar um mar inteiro de sangue derramado.

O arroz deve ser cozido previamente, solto, panela de ferro, muito pouco tempero.

Em outra panela, essa sim mais baixa, use a manteiga de garrafa, mas com a moderação devida.

Adicione a linguiça de porco e o toucinho, deixe fritar por alguns minutos.

Ponha as colheres de arroz e mexa com vigor intermitente; sal; pimenta malagueta já moída; alguma cebola em pedaços pequenos; alho também em pedaços; couve rasgada; alecrim.

Dê o tom solar do açafrão, talvez um pouco de urucum vermelho; fica bem bonito.


Já nos “finalmentes”, dois ovos caipira, tudo ainda misturado, tal como o nascente e o poente.

Carne de lata, desfiada bem fininha.


E, por derradeiro, requeijão de raspa. Deixe que derreta e que se ajunte a todo o aglomerado.


Sirva em um prato fundo, e divirta-se com o cheiro verde sobre tudo. Harmonize o sabor marcante com uma deliciosa marmelada, que você terá que derreter e decorar ainda quente, com a sua criatividade.


Aprecie com suco de cagaita ou de panã, sempre gelado.


E, de sobremesa, doce de abóbora de tacho. Com café coado, sempre amiúde.


***

Siga o perfil Gastronomia com Letras no Instagram:

https://www.instagram.com/gastronima_com_letras_2020/

33 visualizações