Brasília em Notas Musicais

Atualizado: Fev 17

Por LEO LADEIRA

Carta Polis lista 10 canções que registram Brasília em diversos aspectos


Às vésperas de completar 60 anos, em 21 de abril de 2020, Brasília ainda é vista por muitos brasileiros como uma espécie de Ilha da Fantasia, uma cidade desumana e fria. São muitos os que não conseguem dissociar a capital do país da cidade que vive seu cotidiano comum, como outra qualquer.

Mas Brasília não é só política. A cidade exala poesia e arte. E música, muita música! Dezenas de cantores e compositores passaram por Brasília durante todas essas décadas. De Ney Matogrosso - que foi morar na capital no início dos anos 60, indo trabalhar na área de pediatria do Hospital Distrital, atual Hospital de Base - ao brasiliense Tiago Iorc, passando por Cássia Eller, Zélia Duncan, Renato Russo, Herbert Vianna, Dinho Ouro Preto; e bandas como Aborto Elétrico, Legião Urbana, Plebe Rude, Capital Inicial, Raimundos, Maskavo, Obina Shok, Natiruts; e cantores como Léo Jaime, Rosa Passos, Ellen Oléria, Vanessa Barum, Tânia Mara, Simone Guimarães, entre outros. Todos esses moraram ou nasceram na capital.

Quem também morou em Brasília foi o cantor Oswaldo Montenegro. Em 1971, ele mudou-se com a família para a cidade que viria a adotar e a ser tema constante em sua obra. Em 1974, escreveu sua primeira peça musical, "João sem Nome", encenada no Teatro Martins Pena, de Brasília. Em 1981, Oswaldo montou o espetáculo "Veja Você, Brasília", reunindo artistas da própria cidade, do qual participaram os ainda desconhecidos Cássia Eller, Zélia Duncan e Marcelo Saback.

A Carta Polis lista 10 músicas que citam Brasília em suas letras. Confira nossa playlist:

01- "Eduardo e Mônica" (Legião Urbana)

A canção de 1986 composta por Renato Russo e lançada em 1986 pela Legião Urbana é a cara da juventude de Brasília dos anos 80/90, dividida entre aulas nos cursinhos e namoros em uma era pré-internet, tendo a cidade como pano de fundo. São mostrados os sonhos, angústias e realização dos desejos da vida dessa geração.

"(...) Se encontraram, então, no parque da cidade / A Mônica de moto e o Eduardo de camelo / (...) Ela falava coisas sobre o Planalto Central, também magia e meditação /  E o Eduardo ainda tava no esquema escola, cinema, clube, televisão / (...) Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília e a nossa amizade dá saudade no verão..."


02- "Léo e Bia" (Oswaldo Montenegro)

A história de outro casal icônico de Brasília: Léo e Bia, aqueles que souberam amar mesmo com as dificuldades de qualquer relacionamento. A canção que virou musical e filme é inspirada na história de um casal de amigos de Oswaldo Montenegro na época em que ele morava na capital.  

"No centro de um planalto vazio / Como se fosse em qualquer lugar / Como se a vida fosse um perigo / Como se houvesse faca no ar / (...) Como se não fosse tão longe / Brasília de Belém do Pará / Como castelos nascem dos sonhos / Pra no real achar seu lugar / (...) Cuidar de amor exige mestria / E Léo e Bia souberam amar".


03- "Vital e sua Moto" (Os Paralamas do Sucesso)

Outro hino do rock brazuca. O baterista Vital Dias, que inspirou a canção, integrou a primeira formação dos Paralamas do Sucesso. A música foi o sucesso inicial da banda e começou a tocar na Rádio Fluminense FM ainda em versão demo. Herbert Vianna nasceu em João Pessoa, na Paraíba, mas devido à carreira militar do pai, mudou-se ainda criança para Brasília, onde conheceu Bi Ribeiro. O homenageado Vital Dias, primeiro baterista do grupo, faleceu em 2015.

"Os Paralamas do Sucesso iam tentar tocar na capital / E a caravana do amor então pra lá também se encaminhou / Ele foi com sua moto que de carro era baixo astral / Minha prima já esta lá e é por isso que eu também vou".


04- "Um Telefone É Muito Pouco" (Léo Jaime)

Nascido em Goiânia, o cantor e compositor Léo Jaime também morou em Brasília na adolescência, antes de se tornar um dos grandes expoentes do pop-rock brasileiro na década de 80. Um de seus sucessos dessa época é "Um Telefone É Muito Pouco", de Renato Matos:

"Um telefone é muito pouco / Pra quem ama como louco / E mora no Plano Piloto".  

05- "Faroeste Caboclo" (Legião Urbana)

A canção icônica composta por Renato Russo em 1979 e lançada pela Legião Urbana em 1987 chegou a ganhar uma adaptação cinematográfica. A letra conta a história do desajustado João de Santo Cristo, que vai para Brasília, onde, diante de muitas dificuldades, vira traficante. A música cita também cidades do DF como Planaltina, Ceilândia e Taguatinga.  

"(...) E João aceitou sua proposta / E num ônibus entrou no Planalto Central / Ele ficou bestificado com a cidade / Saindo da rodoviária, viu as luzes de Natal / Meu Deus, mas que cidade linda! / No Ano Novo eu começo a trabalhar / Cortar madeira, aprendiz de carpinteiro / Ganhava cem mil por mês em Taguatinga /  (...) E João não conseguiu o que queria / Quando veio pra Brasília, com o diabo ter / Ele queria era falar pro presidente / Pra ajudar toda essa gente que só faz sofrer"


06- "Pra Longe do Paranoá" (Oswaldo Montenegro)

Outra importante contribuição de Oswaldo Montenegro para a antologia musical de Brasília. Foi lançada em 1980.

“Numa tarde quente eu fui me embora de Brasília / Num submarino do lago Paranoá / Quero ser estrela lá no Rio de Janeiro / Namorando Madalena na beira do mar”.


07- "Brasília" (Plebe Rude)

A Plebe Rude foi uma das bandas de Brasília que revolucionaram o rock brasileiro nos anos 80. E no repertório do grupo não poderia faltar uma citação à capital. A canção "Brasília" foi gravada no primeiro disco da Plebe, "O Concreto Já Rachou", em 1985.

"Capital da esperança / Brasília tem luz, Brasília tem carros / Asas e eixos do Brasil / Brasília tem mortes, tem até baratas / Longe do mar, da poluição / Brasília tem prédios, Brasília tem máquinas / Mas um fim que ninguém previu / Árvores nos eixos a polícia montada / Brasília, Brasília..."

08- Flor do Cerrado (Caetano Veloso)

Caetano Veloso nunca morou em Brasília, mas nos anos 70 compôs, para Gal Costa cantar, a bela "Flor do Cerrado".  

"Mas da próxima vez que eu for a Brasília / Eu trago uma flor do cerrado pra você..."


09- Te Amo Brasília (Alceu Valença)

Outro que nunca morou em Brasília foi Alceu Valença, mas ainda assim compôs essa bela canção sobre os migrantes nordestinos que foram para a cidade atraídos pela promessa da nova capital.

"Agora conheço sua geografia / A pele macia, cidade morena / Teu sexo, teu lago, tua simetria / Até qualquer dia / Te amo Brasília..."

10- "Céu de Brasília" (Toninho Horta)

Dizem que mesmo com toda o esplendor de sua arquitetura moderna, o grande patrimônio de Brasília é o céu multicolorido do planalto central. O próprio urbanista Lúcio Costa afirmou que o "céu é o mar de Brasília". Já houve até um movimento pedindo o tombamento do céu de Brasília pelo IPHAN. O mineiro Toninho Horta foi um dos que se apaixonaram pelo vasto horizonte da cidade, registrando-o em versos:

"Lá vou eu pelo ar asas de avião / Me esquecendo da solidão da cidade grande / Beleza bonita de ver nada existe como o azul / Sem manchas do céu do Planalto Central / E o horizonte imenso aberto sugerindo mil direções..."

Além destas 10 podemos citar também "Coisas de Brasília", de Oswaldo Montenegro; "Brasília", de Sérgio Sampaio; "Rojão de Brasília", de Jackson do Pandeiro; "Plano Piloto", de Luiz Gonzaga; "Linha do Equador", de Djavan, entre muitas outras que cantam e encantam Brasília.