Comemorando 77 anos, Milton lança a turnê “Clube da Esquina” em resgate dos grandes clássicos

Atualizado: Mar 4

Por ANA LUISA MOTA


Rio de Janeiro, 26 de outubro de 1942. Nascia um dos grandes cantores, compositores e multi-instrumentista brasileiro, reconhecido mundialmente como um dos mais influentes e talentosos músicos da Música Popular Brasileira.

Milton Nascimento, carioca de nascimento, mas mineiro de coração, tornou-se conhecido nacionalmente, quando a canção "Travessia", composta por ele e Fernando Brant, seu grande amigo e companheiro, ocupou a segunda posição no Festival Internacional da Canção, de 1967. Até agora, Milton Nascimento já gravou 34 álbuns.


Já recebeu 5 prêmios Grammy. Em 1998, ganhou o Grammy de Best World Music Album in 1997. E em 2014 recebeu o troféu da 25ª edição do Prêmio da Música Brasileira. Milton já se apresentou na América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África. Tem como parceiros e músicos que regravaram suas canções, nomes como: Wayne Shorter, Pat Metheny, Björk, Peter Gabriel, Sarah Vaughan, Chico Buarque, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Fafá de Belém, Simone e Elis Regina, que era para ele a grande musa inspiradora" para quem compôs inúmeras canções.


Música imortalizada por Elis

A sua música mais icônica, “Maria, Maria” - parceria dele com Fernando Brant – foi uma de suas canções imortalizada na voz de Elis Regina. Originalmente, a música foi gravada em 1978 pelo Clube da Esquina. Em 1980, Elis gravou a canção que faz parte do álbum “Saudades do Brasil”. ”Maria, Maria” é o símbolo da força da mulher e segundo o cantor e compositor, a letra foi inspirada num personagem real, a Maria que tinha três filhos e morava na beira da linha de um trem.


“Ela tinha gana e botava os filhos para estudar. Ela cuidava deles e eu não faço ideia como. A história dela é muito bonita. Eu não a conheci, mas o Fernando (Brant) conheceu”, conta Milton. Para ele, a música tem características em comum com a população brasileira. “O povo não desiste nunca e tem muita gana. É um exemplo na alma de cada um”, diz Milton.


Resgate em nova turnê


Aos 77 anos, Milton Nascimento está em turnê ‘Clube da Esquina’, na qual pretende trazer ao público um resgate dos grandes clássicos dos dois álbuns, com maior foco no primeiro disco, de acordo com ele. Em 2017, o álbum ‘Clube da Esquina 1’ comemorou 45 anos e, em 2018, foi a vez do segundo disco completar 40 anos. Sendo assim, diante da chegada de datas tão importantes, o mineiro tomou a decisão de dedicar um projeto inteiro aos álbuns.


“Eu nunca tinha pensando em fazer algo que juntasse os dois discos do Clube, mas agora me veio um sentimento de que era hora de fazer isso. E essa turnê Clube da Esquina com certeza vai ser um acontecimento muito mágico, mesmo, para não dizer mais… Quero trazer uma ideia que possa unir as pessoas. E tenho certeza de que este será o meu projeto mais especial em todos estes anos”, revela Milton.


No repertório, Milton promete surpresas aos fãs ao executar canções que o público nunca escutou ao vivo. Além de em certo momento do show apresentar músicas dos discos ‘Minas’ e ‘Geraes’, que vieram entre os dois álbuns do Clube e que possuem total ligação com os mesmos. Milton pretende compor e cantar até o fim dos seus dias, como ele mesmo declarou em entrevistas.