DEIXE O PASSADO NO PASSADO

Por PAULO BEZERRA

Coluna Educação para o Consumo


Procure na pesquisa de internet a busca “viver no passado”, você encontra várias páginas e muitos conselhos e reflexões sobre este tema, que em resumo dizem: você não aproveita nem o futuro nem o presente se está preso às lembranças.


Uma coisa que muito me irrita é receber mensalmente a fatura com o detalhamento do que eu já vivi, pior é pagar por algo que já se foi, principalmente se no dia de receber o salário, este estiver comprometido com compromissos do passado que empurrei com a barriga para frente.


Não controlar as compras no cartão de crédito o torna vulnerável e qualquer valor que exceda a sua expectativa, como uma despesa não prevista o põe em risco de ter que recorrer ao rotativo e entrar em uma bola de neve infindável de dívida.


Ditos populares também se aplicam às finanças - Quando vivemos no passado sofremos duas vezes, no caso, a primeira quando lembramos da compra, principalmente se houver arrependimento por ter por comprado, por exemplo, por impulso e a mais dolorosa no dia de efetuar o pagamento, justamente por isso é preciso pensar antes de falar: “passa no cartão de crédito”.


Não vale o argumento: é necessário, pois não tenho dinheiro agora. Lembra do 13º ou daquele abono recebido que você gastou nas compras desenfreadas? Pois é, quando receber o próximo deixe-o na sua conta e pague “no débito” e aos poucos vá se libertando das faturas altas do cartão.


É fácil? Não! Eu vivo essa luta há anos, mas vale a pena, pois receber o salário e estar com a fatura zerada ou bem baixa é um prazer incomensurável, porque o salário será só seu!


No meu caso, algumas comprinhas ainda aparecem no cartão como: assinatura de revista; compras pela internet e algumas compras parceladas que eu fiz para receber alguns centavos na antecipação das parcelas.


Também não vale o argumento: “eu uso o cartão para ganhar milhas”, como desculpa para o uso indiscriminado do dinheiro de plástico, já que toda vez que você ganha milhagem significa que provavelmente abriu mão da oportunidade de obter descontos com pagamento à vista que poderiam superar e muito o valor das milhas ganhas.


Argumento não nos falta para utilizar o “no crédito”, mas quase todos eles perdem, se analisados matematicamente, para o pagamento à vista. Não deixe seu salário ser destinado para o pagamento cartão de crédito. Sua caixinha agradece e lembre-se de sempre alimentá-la!


***

Conheça o Colunista Paulo Bezerra