DEPOIS DE BATISTTI, QUESTÃO DE HONRA PARA ITÁLIA É PRENDER CASIMIRRI NA NICARÁGUA


O cativeiro durou 55 dias, após os quais Moro apareceu morto. Cruelmente assassinado pelas Brigadas Vernelhas, por Casimirri e seus comparsas. Foto da época.

Casimirri está evadido há exatos 40 anos, na Nicarágua. O sequestro ocorreu entre março e abril de 1978, em Roma, quando Moro dirigia-se à Câmara dos Deputados.

Como foi uma questão de honra para a Itália buscar Battisti no Brasil e prendê-lo na Bolívia, está sendo também buscar e encerrar Casimirri, onde ele estiver, e está na Nicarágua.

Suspeita-se inclusive que tenha tido entradas franqueadas no Vaticano, que o protegeu, como Estado soberano e independente da Itália

Entrevista reveladora  – Numa longa entrevista ao jornal Corriere dela Sera, nesta semana, o ex-ministro Giuseppe Fioroni, ex-presidente do comitê parlamentar que investigou o terrorismo e seqüestro de Aldo Moro,  apontou anomalias na fuga de Casimirri.

Mencionou até mesmo a rede de proteção” que para ele ainda existe no Estado italiano, para acobertar o caso ocorrido há 40 anos

“Agora (depois do sucesso de prisão de Battisti) devemos avançar” – disse ele.

-“Avançar para onde?” – perguntou a repórter do Corriere.

E ele não se furtou a apontar a direção: para a “ verdadeira grande peça, Alessio Casimirri”, terrorista que participou do sequestro Moro e fugitivo na Nicarágua.

Acrescentou mais episódios:

-“Ele também participou do assassinato do juiz Girolamo Tartaglione e da emboscada contra Giovanni Galloni. Mas ele nunca levou um minuto na cadeia, graças aos seus acobertadores “.

Sobre as entradas no Vaticano –  Esclareceu Fioroni que o pai de Casimirri  era do escritório de imprensa de três papas. E pensa-se que para isso desempenhou um papel na negociação para libertar Moro, entre o Vaticano e o Governo da Itália .” Mas o erro é pensar que foi apenas a família dele dentro do Vaticano que o encobriu”

E ajuntou:

-“Ele também foi protegido de fora do Vaticano. O que emergiu durante o trabalho da comissão de Moro prova isso “.

Para ele, Casimirri já havia sido preso pela polícia na década de 1970 e em 1972 por ataques de direitistas e uma” expropriação proletária”, mas ele recebeu uma licença de arma de fogo e outra para uma loja de caça.

-“Em abril de 78, com Moro sob cativeiro,  sua casa foi revistada, anexada a uma paróquia. Um agenda foi encontrada repleto de contatos com personagens relacionados à subversão. Mas tudo isto foi  ignorado”.

Fuga para a Nicarágua –Giuseppe Fioroe avançou, agora pra os anos 9O, após a fuga de Casimirri para a Nicarágua:

Em 1993, o Sisde (Serviço de Inteligência italiano) partiu em missão secreta para a Nicarágua, o localizou e ele começou a colaborar. Mas há um vazamento de notícias, um incidente diplomático e ele parou de colaborar.

Segundo o ex-parlamentar  “a Nicarágua nunca sentiu a necessidade de devolvê-lo” .

“Ele está lá, ele é um restaurador, ele tem uma escola de mergulho, todo mundo sabe disso. Mais protegido que isso … » Ele sabe muitas coisas, desconfortável para os terroristas, mas talvez também para o estado.”

0 visualização