ENTELÉQUIA

Por ANDRE R. COSTA OLIVEIRA



Eu acredito que a melhor maneira de tentar contornar a ansiedade, a insegurança e a tensão gerada pelo isolamento social decorrente da pandemia do Covid-19 é a ocupação da mente e o desenvolvimento de ideias.


Hoje não nos falta tecnologia barata e acessível para a busca de informações, seja por meio de leitura, seja na web ou através das incontáveis plataformas audiovisuais disponíveis. Isso tudo sem contar o elemento humano, que é a redescoberta das pessoas que estão à sua volta, a prática de atividades lúdicas, a renovação de votos de amor e a dissolução daquilo que já estava, de alguma forma, se partindo.


E é por isso - e que me perdoem os discordantes - que o suposto desconforto dos que se dizem entediadas, ociosos, na verdade é uma falácia; pode ser reflexo de uma desculpa cômoda para se fecharem a novas descobertas, à cultura e ao autoconhecimento. Ou até mesmo para a protelação de projetos pessoais antigos, e que por alguma razão foram deixados de lado no curso da vida. O isolamento é complicado porque faz com que olhemos no espelho. E o espelho, não duvidem, é o mais severo dos juízes.


A palavra “enteléquia” vem do grego. “En” - dentro, “telos” - finalidade, ou seja, “finalidade interior”, segundo a filosofia de Aristóteles.


De forma sucinta, é a realização de uma tendência ou de um fim natural, como um processo de profunda transformação de todo e qualquer ser do universo.


Aristóteles, abordando o conceito de 'entelequia', defende que todos os seres se desenvolvem partindo de uma causa final interna a cada um deles. É dizer que o nosso desenvolvimento pleno se evidencia no exato momento em que buscamos a nossa verdadeira finalidade, a nossa essência mais pura.


Daí fica o meu questionamento: não estaríamos todos nós, isolados socialmente, tendo agora a oportunidade, talvez a única, de reflexão sobre aquilo que nós somos de verdade, sobre aquilo que queremos de verdade a fim de nos realizarmos? Eu pergunto isso porque a grande maioria dos seres humanos passa por toda uma existência vivendo a vida escolhida por fatores ou por pessoas de fora - e deixando cada vez mais de lado aquilo que efetivamente se deseja ser, suprimindo a real essência da vida na mais profunda escuridão claustrofóbica de seu próprio espírito.


***

#andrercostaoliveira #coronavírus #pandemia #covid19 #entelequia #aristóteles


Conheça o nosso articulista Andre R. Costa Oliveira e leia outros artigos de sua autoria:

https://www.cartapolis.com/sapere-aude