JÁ ENTREGOU SUA DECLARAÇÃO?

Por PAULO BEZERRA


A última semana para declaração costuma ser a mais tumultuada, mas já foi pior pois há alguns anos atrás a entrega ocorria em agências bancárias. Lembro de ver um contribuinte chegando pouco antes do horário de encerramento da agência, com muita papelada para acabar lá o preenchimento.

Eu também deixo para os últimos dias a entrega da declaração, mas nunca a terceirizei, embora tenha pedido, na primeira vez que fiz, que meu pai a conferisse, pois era o meu primeiro emprego, embora a quantidade de informações fosse muito pequena e não houvesse complexidade no preenchimento.

Minha sugestão: sempre faça você mesmo a sua declaração, pelas seguintes razões: a primeira por economia mesmo; a segunda porque não é difícil, basta seguir as orientações; e por último, para se ter consciência dos valores ali inseridos. Nada impede que peça orientação a familiares e amigos, mas a responsabilidade sobre todos os dados é exclusivamente sua e será você quem responderá por eles.

Eu já fui chamado à Receita Federal, relato que não é das coisas mais agradáveis, e não se tratava de erro meu, era, mas apenas uma incoerência ocasionada pelo demonstrativo sem erro de nenhuma das partes (nem meu, nem da Receita Federal nem do meu Órgão Pagador).

Declaração finalizada, partindo do princípio que as informações são fidedignas às despesas, o resultado, se valor a pagar ou a ser restituído, independem da sua vontade, mas sugiro verificar a alteração patrimonial.

Sabe aquela planilha de controle financeiro mensal da qual já comentei anteriormente? Um quadro anual se assemelharia a ela, só que mais resumida.

Estando com o quadro em mãos, observe os detalhes em relação ao seu patrimônio lembrando que um bem comprado há cinco anos, por exemplo, tem seu valor nominal, e se vendido for será corrigido e isso altera a impressão de que se está guardando mais do que realmente se está.

Calcule também o percentual de seus bens em relação ao seu patrimônio e tenha-o em mente na hora de trocar, por exemplo de carro. Algumas pessoas estipulam 10%, sendo este, o novo carro não poderá ser mais caro do que 10% o valor da sua casa.

O momento da declaração é um momento de reflexão. Os pagamentos do ano anterior mostram quanto foi destinado para saúde e educação, por exemplo. Se você não presta muita atenção aos seus gastos, aproveite o momento para daqui para frente já programar-se que todas as suas ações que serão inseridas no ajuste do próximo ano e guarde todos os recibos necessários, mesmo que seja digitalmente.

Estando quite com a Receita Federal, lembre-se que a sua caixinha também quer e merece uma fatia do bolo. 

10 visualizações