JUVELHECIMENTO

Por ROBERTO NAVARRO

Coluna Estrada das Lágrimas


Antes de contar mais uma história, vamos falar um pouco sobre o envelhecimento. O que é envelhecer bem? Pois é, para uns é ter saúde, para outros é estar jovial fisicamente. Cada um tem sua receita, não é?


Seja qual for o pensamento sobre isso, o envelhecimento é um momento em que nos olhamos no espelho e perguntamos onde está o jovem que eu sinto aqui ¨dentro¨. A alma não envelhece, os desejos, os sonhos, as vontades não envelhecem, mas o corpo muitas vezes não consegue acompanhar tudo isso, e aí pode vir o sofrimento, por ter vontade de realizar coisas que seu corpo não consegue mais ou não é mais ¨seguro¨.


Dizem que as rugas é sinal de experiência, pois eu as dispenso (risos), experiencia é algo velho que está guardado em nosso conhecimento mas também é algo novo, um exemplo é toda tecnologia que estamos aprendendo atualmente. São experiências compartilhadas com filhos e netos, então não preciso me encher de rugas pra dizer que sou experiente,certo? (risos). Outra coisa, filhos e netos passam por experiências que a gente nunca passou, assim como, entre as pessoas as experiências são diferentes.


A natureza e sua criação é perfeita, sem dúvidas, mas a única dúvida minha é a velhice. Poque, após tantos anos, aprendendo coisas e aperfeiçoando nossa maneira de viver e na hora de aplicarmos os conhecimentos adquiridos ao longo do tempo alguns idosos, por exemplo, mal conseguem andar..... ou aquilo que aprendemos não se usa mais...foi substituído por algo mais rápido, moderno e eficaz, e quem nos ensina são os filhos ou netos (risos). Como sempre digo, aqui é local de reflexão. São meus questionamentos em relação ao envelhecimento.


É lógico que em tudo há exceção e existem idosos envelhecidos e idosos atualizados. Tudo é uma questão do pensamento e atitude. Como se enxerga diante dos outros, diante da sociedade, como ela consegue acompanhar as mudanças da vida, seja física ou intelectualmente.


Um dos problemas é que só pensamos nisso quando estamos idosos, parece tão longe, mas passa rápido e o preparo para esta fase da vida começa bem antes , quando nem passa pela cabeça que um dia vamos ficar igual nossos avós. Então abusamos de nossa juventude, do nosso corpo utilizando toda energia que temos o tempo todo, trabalhando, curtindo, dormindo tarde, bebendo, se divertindo sem pensar no desgaste. Mas sabe, não estamos totalmente errados, talvez o exagero realmente nos traga danos irreparáveis na fase idosa, mas em contrapartida, viver bem todas as fases da sua vida talvez seja a fórmula de ser feliz na velhice. Brincar, sonhar, fantasiar na infância, aprender muito na adolescência, namorar, flertar, se apaixonar, passear e na juventude curtir a vida de forma saudável, trabalhar, progredir, dançar, fazer amigos, curtir músicas, passear muito ...namorar ...conhecer pessoas, enfim... cada fase de vida nos proporciona novas emoções e se a gente VIVER isso, acredito que quando a idade avançada chegar a alma também estará ¨cansada ¨e desejando as mesmas coisas que o corpo físico, e a gente estará talvez num equilíbrio entre alma e corpo e talvez sofrendo menos. Será?


Conheci um senhor chamado Joelmir, que vivia nas ruas, tinha 59 anos e, vezes por outra, estava alcoolizado. Ele com aparência de mais velho, barba e cabelos brancos, magro, sempre sorridente e sempre de terno. Agradável quando não fazia uso de bebida alcoólica.


Eu sempre encontrava Sr. Joelmir pela rua conversando com alguém, eu perguntava se estava tudo bem e ele sempre estava sem queixas. Aparentemente feliz apesar de não ter nenhum bem material, nem mesmo um teto.


Certo dia foi convidado para participar de um encontro terapêutico onde as pessoas se reúnem e elegem uma determinada história de vida ou problema pessoal em que a pessoa escolhida conta um pouco sobre o assunto e os outros vão comentando, trocando experiência, se identificando com essas histórias. E naquele dia a história do Sr.Joelmir foi escolhida e ele aceitou contar sua vida em poucas palavras, e para mim pareceu um desabafo, uma justificativa para a vida que levava atualmente, pois é uma pessoa inteligente, alegre, aparentemente de bem com a vida mas vivendo naquela situação, e assim ele relatou sua vida.


Disse que nasceu de uma família com poucos recursos mas suficientes para se viver bem, onde teve oportunidades de progredir mas optou por estudar até onde conseguiu mas não era seu objetivo principal de vida. Não quis se casar e não teve filhos, preferiu viver sozinho e viajar. Todo dinheiro que possuía e mais adiante o que lhe foi dado por herança ele gastou viajando, se divertindo, passeando, conhecendo pessoas, costumes, culturas e o tempo foi passando e a idade chegando.


Ele não entrou em detalhes menores mas disse que tudo que ganhou, gastou pela vida e não pensou no futuro. Não pensou que um dia iria envelhecer e os recursos ficariam cada vez mais escassos. Ele nem estava idoso ainda na idade, mas o corpo cansado pelos excessos não conseguia manter um trabalho contínuo para o sustento, e também acostumado com a liberdade, não conseguia ficar em nenhum abrigo.


Mas o interessante é que não se queixava disso. Ele relatou neste dia que não se arrepende de tudo que viveu e conheceu. Foi uma vida prazerosa, mas esqueceu de se programar para o futuro ou nem pensou nisso, apenas viveu o presente, o hoje. Se orgulha de tudo que fez, e que hoje, só ele sente o reflexo de sua vida, as consequências não atingem ninguém além dele mesmo, pois não tem mais nenhum familiar para sofrer junto, mas tem muitos amigos que o compreende e o ajudam quando necessário.


Lembro que ele terminou seu relato de vida bastante emocionado, dizendo que chora de tristeza por não ter pensando um pouco mais no futuro, mas que chora também de alegria pois a velhice está chegando e não sente arrependimento, nem frustrações de não ter vivido de verdade e que se morresse hoje morreria feliz pois viveu intensamente a sua vida. Nesse momento, ele foi aplaudido por todos.


Independente de julgamentos, será que o Sr. Joelmir não alcançou seu objetivo e por isso se sente uma pessoa feliz?


Será que ele é quem teve a coragem de realizar seus sonhos não medindo esforços e consequências para ter a vida que queria?


Só sei que ele não é uma pessoa frustrada, amargurada, pelo contrário, é feliz dessa maneira. Será que temos que viver sob regras e condutas impostas que nos prometem a felicidade? Ou vivermos com intensidade sem nos preocupar com o amanhã? Enfim, cada um tem a sua receita.


Fiquei refletindo sobre isso.....


***

Conheça Roberto Navarro

48 visualizações

Posts recentes

Ver tudo