O IMPACTO DE NOSSAS ATITUDES

Atualizado: Jun 1

Por PAULO BEZERRA


Quando temos alguma questão financeira a resolver tendemos a tomar atitudes que por diversas vezes não atacam o problema de frente, tanto é verdade que diversas pessoas se encontram em situação inadimplente e mesmo estando cientes do problema não saem do vermelho com facilidade.

Tudo bem que um grande sacrifício por um curto período de tempo pode resolver logo a situação, entretanto, saber dosar o martírio é fundamental para que a abordagem seja equilibrada, e, em termos médicos, diríamos saudável.

Ter foco na solução é a primeira atitude a ser levada em consideração, com objetivos claros, metas e prazos realísticos. É claro, que por vezes, uns conseguem resolver sua situação mais rapidamente do que outros, como em uma corrida de carro, onde tendo automóveis com tecnologias semelhantes, as atitudes do piloto fazem a diferença para se obter o sucesso.

Cuidar de dinheiro é semelhante a outras prioridades que temos na vida, como por exemplo a reeducação alimentar, visando emagrecimento. Pode-se emagrecer a curto, médio ou longo prazo. A intensidade do sacrifício é proporcional ao tempo. A forma mais curta seria entrar em coma induzido até perder a quantidade de quilos necessária, e por questões óbvias ninguém (ou quase ninguém) é insensato a esse nível.

Falando sem sacrifícios, na pandemia você prefere isolamento total, parcial, horizontal ou nenhum? Independente da sua postura frente ao vírus, imagine se fechassem todos os acessos à sua cidade e fosse obrigatório que aos moradores ficarem em suas respectivas casas, sem sair, por quatorze dias.

Certamente havia uma drástica diminuição dos casos de COVID - 19, mas isso é impossível de ser viabilizado, pois temos emergências, existe a necessidade de compramos comidas e os serviços essenciais, como energia elétrica e água precisam de manutenção.

Pense em seu dinheiro, de forma semelhantemente, se você cortar todas as despesas durante um mês, pode ser que você resolva suas pendências financeiras, mas você precisa se alimentar, mandar os filhos para escola, fazer higiene pessoal, etc, o que inviabiliza direcionar todo o seu dinheiro para resolver um único problema.

Se você não consegue direcionar todo o seu dinheiro disponível para sanar as dívidas, precisa pensar antes de alimentá-las. A pandemia tem ajudado a refletirmos sobre o impacto de nossas atitudes...

Em relação ao dinheiro, não devemos nem deixar de viver para economizar e nem poupar uma quantia insignificante mensalmente. Equilíbrio é a palavra-chave.

É sempre bom lembrar que não sairemos do lugar, se ficarmos “burlando a nossa caixinha”. É como, nessa pandemia, usar máscaras no queixo, jogar bola com a galera e participar de festinhas. Estas atitudes não ajudam a saírmos da atual situação, onde sem vacina, o melhor remédio é não pegar o vírus.


#economia #poupança #gastos #contas #dívidas #pagamentos #economizar #poupar #educaçãoparaoconsumo #consumo #finanças #dinheironacaixinha #covid19 #coronavírus #pandemia #paulobezerra


Conheça o nosso articulista Paulo Bezerra e leia outros artigos de sua autoria: https://www.cartapolis.com/educacao-para-o-consumo