O PREÇO DE UMA AMIZADE

Por RENATA MALTA VILAS-BÔAS


Marcelina trabalhava no escritório de contabilidade do Sr. Manoel, e com a quantidade de atividade esse resolveu contratar Maria dos Anjos. Maria dos Anjos e Marcelina logo ficaram amigas, de sair para Happy Hour e passarem finais de semana juntas. Marcelina que adorava acampar convidou a amiga para irem para fazerem um acampamento. E a vida foi passando ...

Marcelina sempre solícita ajudava Maria dos Anjos no que podia, tanto em questões do dia-a-dia do trabalho bem como questões pessoais.

Um dia, Maria dos Anjos pediu para a Marcelina ajudá-la num assunto muito delicado. Ela tinha que entregar o imóvel que ela estava morando e alugar outro. E aí perguntou se Marcelina conhecia algum imóvel, bom e barato, de preferência na região que elas trabalhavam, ou perto do metrô, se fosse mais longe.

Marcelina achou que estava com sorte pois seu amigo Osvaldo ia deixar a cidade, e ele estava devolvendo o imóvel para a imobiliária naquela mesma semana. Assim, ajudava o Osvaldo, que poderia negociar para não pagar a multa contratual e a Maria dos Anjos que precisava de imóvel para morar.

Conversou com Osvaldo e apresentou ele para Maria dos Anjos e foram todos para a imobiliária. Chegando lá, o dono da imobiliária chegou num acordo com Osvaldo, mas tinha um problema como Maria dos Anjos - ela não tinha fiador, e o proprietário só alugaria se tivesse um fiador.

Marcelina vendo o apurado da amiga se ofereceu para ser a fiadora dela. Afinal, era tão simples, bastava assinar o contrato de locação e estava tudo resolvido.

E assim foi feito !

Marcelina ajudou Maria dos Anjos a mudar-se e ajudou também com a decoração - afinal, amiga é para isso mesmo ...

Passado seis meses, o Sr. Miguel proprietário do escritório de contabilidade, veio a falecer, e a família decidiu reduzir o quadro de funcionários, enquanto entendia o que estava acontecendo. Com isso Maria dos Anjos foi demitida.

Marcelina, consternada com a situação da amiga, procurou colocação para ela em diversos outros escritórios, mas não conseguiu ajudá-la. A economia estava fraca e a onda de desempregado era grande.

Passado dois meses que Maria dos Anjos foi demitida, Marcelina recebeu uma ligação da imobiliária, cobrando os aluguéis atrasados. Marcelina ficou espantada pois Maria dos Anjos não tinha comentado nada com ela !

Imediatamente ligou para a amiga para saber o que estava acontecendo !

Maria dos Anjos atendeu o telefone e quando Marcelina começou a falar dos aluguéis Maria dos Anjos rapidamente disse que precisava desligar e que ligaria mais tarde ...

Mas, Maria dos Anjos não ligou ...

Marcelina tentou de tudo quanto é jeito: por email, por whatsapp, etc. Aí descobriu que tinha sido bloqueada nas redes sociais de Maria dos Anjos.

E nisso a imobiliária ligando para fazer um acordo para pagar os aluguéis atrasados.

Marcelina não tinha esse dinheiro. Apesar de não estar endividada, o que ela recebia era para o seu próprio sustento e de sua família que vivia no interior e que contavam com aquela ajuda.

Marcelina insistia em ligar para Maria dos Anjos tentar entender o que tinha acontecido. Afinal, não se dá as costas para uma amiga !

Um dia Marcelina resolveu sair mais cedo para ir na casa de Maria dos Anjos e chegando lá ficou sabendo pelo porteiro que Maria dos Anjos tinha dado ordem expressa para não deixar ela subir.

Maria dos Anjos se esquivava de conversar com Marcelina. E o tempo foi passando ...

Um dia, no seu trabalho, Marcelina recebeu uma correspondência do Poder Judiciário. Achou aquilo estranho, pois nunca tinha recebido tal documento. Curiosa e preocupada, correu a abrir a correspondência para saber do que se tratava.

Quando foi o susto que teve com o conteúdo !

Ela estava sendo processada para pagar os aluguéis atrasados. E já era uma boa quantia e que ela não tinha.

E lendo o documento descobriu que se não pagasse aquele valor, a sua casa - comprada com tanto sacrifício - seria levada a leilão para pagar a dívida.

Aos prantos Marcelina não sabia o que fazer. E mais ainda, atordoada, não estava entendendo que ela teria que pagar a dívida da Maria dos Anjos, afinal, não foi ela que morou naquele imóvel.

Maria dos Anjos continuava residindo lá e sem pagar o aluguel, o condomínio, etc...

Já que a Maria dos Anjos não queria lhe atender, pensou em pedir um empréstimo no Banco e com isso quitar o processo e depois buscar esse valor com a Maria dos Anjos. Afinal, o Banco vivia falando que tinha um crédito pré-aprovado no nome dela e que ela poderia usar.

Quando pensou nessa solução suspirou aliviada e tratou de ir ao Banco. Chegando lá, foi conversar com a sua gerente e descobriu que como ela estava sendo processada, o Banco não iria mais fazer o empréstimo que ele disse que poderia fazer.

Mais um baque para Marcelina, estava sem crédito, com o nome sujo, por causa da Maria dos Anjos. E precisava resolver o problema.

Enquanto isso o tempo passava e precisou providenciar a sua defesa no processo por meio de um advogado.

Marcelina não tinha argumentos jurídicos para convencer o juiz de que não deveria ser condenada, e assim, por mais que o advogado tentasse não conseguiu livrar Marcelina do resultado fatal: o seu imóvel seria levado a leilão para pagar a dívida existente e se sobrasse algum valor este seria entregue para Marcelina.

Chegou o dia do leilão e o imóvel não foi arrematado. Marcelina suspirou aliviada, mas, mal sabia ela, que o imóvel iria a um segundo leilão e que nesse caso o valor era de apenas 50% do imóvel.

E uma pessoa arrematou o imóvel.

Marcelina ficou sem a sua casa... E a tristeza que a consumiu, fez com que ela se fechasse para novas amizades. Afinal, foi por ser amiga que ela perdeu todo o seu patrimônio. E se qualquer pessoa pergunta a ela do que acha de ser fiadora, ela responde amargurada: Nunca mais, nem nessa vida e nem na outra, se tiver. Fiador só pai e mãe e olhe lá...

E ela nunca mais encontrou Maria dos Anjos ... pelo que ficou sabendo foi morar em outra cidade.