O SACRIFÍCIO DÁ SABOR À VITÓRIA

Por BENTO CRUZ

Coluna Histórias de um Velho Marinheiro


Eu estava me preparando para conseguir ser aprovado no concurso interno da Marinha. Para isso, contratei um bom professor particular, que morava longe da minha casa, mas o esforço valia a pena.


Em uma das idas para a aula, sofri um acidente. Caí de um bonde e quanto a roda passou por cima do meu calcanhar, praticamente o levou junto ele. O barulho do impacto marcou minha alma.


Entre outras preocupações, havia o medo de não conseguir me recuperar, principalmente porque havia o concurso e nele estava uma das minhas chances de ter uma melhor condição de vida e para isso, era necessário estar apto para marchar.


Então ainda no hospital, mesmo com pontos abertos, eu ficava de pé e insistia em dar alguns passos. Eu deixava marcas de sangue pelo chão, mas dentro de mim, crescia cada vez mais a vontade de ultrapassar os limites.


A equipe da prova não sabia do meu acidente, e nem poderiam saber, pois eu seria desligado do curso. O jeito era dar um jeito... Ter que disfarçar e aguentar a dor de marchar com pé machucado! Mas por mais que eu tentasse não conseguia calçar o sapato, era insuportável.


Foi quando surgiu a ideia... E se eu tirasse um pouco da parte de trás do sapato? Como ele era preto e a meia era preta, poderia dar certo! O risco era grande, pois se me pegassem, as consequências não seriam boas.


Haviam então duas opções: arriscar e aguentar as possíveis consequências, ou desistir logo, contar sobre a minha situação e deixar ir embora a minha chance naquele concurso. Entre as duas, foquei no que queria alcançar e resolvi colocar o meu plano em ação.


Peguei o sapato e fiz a adaptação. Deixava-o sempre extremamente brilhoso, para poder disfarçar a minha gambiara. E dia após dia enfrentei o medo de ser descoberto. Até que o pior aconteceu...


Um sargento que fazia parte da equipe do curso olhou para o meu sapato. Na hora pedi para ele não falar nada, de uma maneira muito camarada ele não me delatou, mas me disse: se o tenente vir, ele vai te desligar!


O curso continuou, assim como a minha gambiara, e eu consegui! Com sacrifício, ousadia, abri o meu caminho para um mundo melhor e é claro, assim que terminou o curso, convidei o sargento que deixou que eu continuasse para tomar cerveja.


Aos meus filhos, netos, genros, amigos e a você, conto esta história como um incentivo para que insista e persista para conquistar seus objetivos. Se o cenário não estiver favorável, crie uma saída! Os sacrifícios fazem parte do processo da conquista e dá sabor a vitória.


***

Conheça o Colunista Bento Cruz