OLHE AS COISAS PEQUENAS

Por PAULO BEZERRA

Coluna Educação para o Consumo

Você é daqueles que acham que se guardar dinheiro “de pouco em pouco” a caixinha nunca enche? Vamos pensar o contrário... Gastar muito dinheiro, de uma vez só, na compra de algo caro, seca a sua caixinha assim como os contínuos pequenos saques, considerando que só há retiradas?


A maneira não muda o fato de que o saldo ficará menor. É como começar a comer um pudim, se toda hora você passa pela geladeira e come uma colherada ou se pega uma grande fatia, não muda o fato de que o pudim ficará cada vez menor.


Imagine que suas economias são como uma caixa d’água. Um pequeno vazamento constante gera mais desperdício ao longo de um dia do que uma torneira totalmente aberta por cinco minutos. Vários poucos são maiores do que apenas um muito.


Aliás, os pequenos descuidos no dia a dia podem causar grandes prejuízos, basta um parafuso mal apertado ao trocar um pneu para gerar um grande estrago. Desatenções e o famoso "depois eu resolvo" podem levar a situações nada interessantes.


Especialistas em segurança nos orientam a observar o carro até o seu completo fechamento, após o acionamento do alarme. Quem teve carro furtado ou levou um susto ao chegar e encontrar os vidros abertos, sabe a importância da verificação e o custo da falta desta análise.


Em casa os cuidados precisam continuar. Imagine a seguinte situação: uma pessoa acorda no meio da madrugada com vontade de ir ao banheiro e sedento por um copinho d’água, em razão disso vai ao banheiro e deixa a descarga emperrada, a lâmpada acessa e acabou batendo a porta da geladeira sem força o suficiente para o completo fechamento dela.


Resultado: quando acorda vê que a válvula emperrada do vaso sanitário precisa de um bombeiro com urgência (ou, às vezes um pequeno reparo manual), a luz gastou eletricidade desnecessária e a geladeira o deixou com diversos alimentos descongelados.


E pelo ralo o seu dinheiro se vai...


Mas podia ser pior... ele está de malas prontas e com certo atraso para chegar no aeroporto, mas ainda há tempo para um banho rápido, no final dele o fornecimento de água é interrompido, ele se seca e sai de casa.


Quando volta de férias ao adentrar sua residência ouve um barulho vindo do banheiro, corre lá e repara que o chuveiro se encontra aberto, de início é um susto achando que sua casa fora invadida, mas a memória o faz lembrar de sua saída.


Ele fica ansioso, já que quando suas contas de saneamento e eletricidade chegarem estarão mais altas já que seu consumo em 15 dias foi superior a 200 metros cúbico de água tratada e 2.500 KW de energia, e os concessionários têm alíquotas diferenciadas por faixa de consumo.


Tudo que ele deixou de comprar porque era fora do seu poder aquisitivo teria custado menos do que o parcelamento a ser realizado por causa de um banhozinho em cima da hora.


Esteja atento às coisas pequenas!


***

Conheça Paulo Bezerra