PSL É PARTIDO SEM CARDEAIS, MAS COM MUITOS COROINHAS

Somente o presidente de um partido sem cardeais, como o PSL, poderia afirmar esta asneira: “Política não é muito de mulheres.

Não está observando o que se passa em seu entorno com a presença cada vez maior de mulheres na política, não em plano numérico, mas na qualidade da protagonização, como demonstrou na última semana a senadora Simone Tebet.

O PSL se esmera por ser um partido sem cardeais, com ruidosa tribo de coroinhas iniciados numa igreja não-orgânica.

O que caracteriza um partido orgânico? Aquele em que uma diretriz partidária e emitida do alto e percorre tidos os escalões até o mais humilde burocrata de diretório na menor cidade.

Exemplos recentes foram o PT e o ex-PFL, hoje DEM. Partidos orgânicos em sua medula, com hierarquia e liturgia, com cardeal, monsenhor, arcebispo, bispo e padre.E baixo clero, claro.

0 visualização