QUANTO VALE SEU CARRO?

Por PAULO BEZERRA


Veículo é um patrimônio que quase todo cidadão possui ou deseja possuir, por diversas razões e por permitir a comodidade de levar e trazer quando se bem quer, isso se o tráfego permitir. Primeiramente vejamos que não se trata exatamente de um investimento adquirir um carro, exceto poucas exceções (de coleção, clássico e raro, por exemplo), tirando isso, carro é praticamente uma forma de dilapidar seu patrimônio, em razão, por exemplo, da contínua depreciação.


Você pode pensar...


O nosso transporte público não é de qualidade quando se comparado ao da Europa, ou mesmo dos Estados Unidos, então eu preciso possuir uma máquina que me transporte com conforto e rapidez.


Bem, tanto um “pé-de-boi” dos anos 60 quanto um SUV, tirado zero, executam, com certa similaridade, a realização de suas prioridades diárias de locomoção (principalmente considerando o trânsito).


Quanto custou o carro que está ou que você gostaria que estivesse na sua garagem, neste exato momento? O que quero que você avalie é quanto aquele objeto estacionado valeu em relação à sua moradia atual ou em relação a que quer adquirir.


A primeira vez que ouvi alguém colocar um percentual foi quanto um colega, muito sistemático, que era um solteirão convicto, morava em um flat e preferia não ter carro porque o que ele desejava custava metade do valor do seu imóvel, e como ele não podia comprar um apartamento cinco vezes mais caro ele optou por não ter carro.


A segunda vez, foi uma outra colega, que sonhava com um carro do tipo “fora de estrada” britânico mas que possuía um automóvel quase popular. Ao invés de comprá-lo, ela investiu todas as suas economias em um imóvel, a lógica dela era parecida com a do meu colega, se ela fosse satisfazer a vontade do seu sonho, perderia a chance de morar onde gostaria, pois os dois, não cabiam no orçamento.


Qual percentual é esse? Qual foi o parâmetro? Ambos estipularam em 10% do valor do imóvel, para mim esse percentual é bem razoável, mas você deve avaliar qual fração do valor da sua casa, atual ou futura, você está disposto a aplicar na sua mobilidade.


Seja qual for o seu percentual, deve ser levado em consideração o valor da residência e o valor de cada um dos carros dos moradores da casa. Estipule o valor percentual e se for o caso, opte, quando se tratar, por exemplo, de duas pessoas na mesma casa, por dois veículos mais baratos ou apenas um de custo superior.


Leve isso em consideração antes de adentrar uma concessionária da próxima vez.


Esse tipo de comparação eu sempre faço quando vejo carrões em área residencial mais simples, principalmente quando o automóvel destoa dos da vizinhança. Tem gente que leva a aparência tão a sério, que tenta parecer mais rico do que realmente é (se fosse rico não moraria ali).


Em relação a querer viver uma realidade que não pode, um vizinho do meu irmão que possuía um carro alemão, chegou a tirar o emblema para o automóvel aparentar ser de um modelo superior ao dele (os automóveis germânicos têm aparências quase idênticas e a diferenciação do motor se dá por números no emblema, o mais caro é de 2,5 litros e o dele era de 1,6, quando ele retirou a informação, o desejo era que pensassem que ele tivesse comprado o modelo mais caro).


Também me vem a memória um senhor que trabalhou ao meu lado que possuía um automóvel básico, com valor de menos de 1% do valor de sua morada, além de possuir outros 3 apartamentos alugados. Ele está certo ou errado? Não cabe a mim julgar, mas que ele morava bem, certamente é uma verdade e provavelmente ele tinha menos dependência de sua “máquina queimadora de gasolina”.


Pense bem antes de comprar ou trocar “o poluidor de ar” que você usa como meio de transporte e lembre-se que a escolha de algo mais barato representa mais dinheiro em sua caixinha.


Reflita...

§ Qual era o preço do seu carro quanto você o adquiriu? Quanto ele custa agora?

§ Percentualmente o seu carro representa quanto em relação ao seu imóvel? Como é esta relação com os outros automóveis da casa?

§ Comparando o valor do seu atual imóvel ou daquele que você quer adquirir, qual seria o percentual ideal para direcionar para um automóvel?

§ Quando você faz planos para troca de carro, pensa em quais critérios?

§ Se você identificou que percentualmente o seu atual carro está abaixo do percentual que considera aceitável para gastar com automóvel, existe mesmo a necessidade de comprar um mais caro?


#educaçãofinanceira #educaçãoparaoconsumo #finanças #economia #poupança #paulobezerra


Conheça o nosso articulista Paulo Bezerra e leia outros artigos de sua autoria:

https://www.cartapolis.com/seu-dinheiro-na-caixinha

23 visualizações